fbpx Skip to main content
Foliculite tem cura? 7 dicas para evitá-la

Foliculite tem cura? 7 dicas para evitá-la

A foliculite — a inflamação do folículo piloso — é uma condição extremamente comum que pode gerar pequenos “carocinhos” em toda a pele, como pelos encravados.

A inflamação é causada pela bactéria Staphylococcus aureus (estafilococos), mas tendo também outros fungos e bactérias envolvidos.

A foliculite estafilocócica, a mais comum, pode afetar pessoas de toda as idades, tanto homens quanto mulheres, e embora melhore com tratamentos por curtos períodos de tempo, tem a foliculite tem cura apenas quando a pessoa adota hábitos de vida que evitam a inflamação dos folículos pilosos.

Normalmente existem dois tipos de foliculite, as que são superficiais e as foliculites profundas, que podem aparecer em diversas partes do corpo, até mesmo no couro cabeludo, sendo maiores os casos em homens, como também a pseudofoliculite na barba.

Quer descobrir então se foliculite tem cura e o que você pode fazer para se livrar dos pelos encravados para sempre? É só ler o nosso post!

Como eu sei que tenho foliculite?

Vou fazer uma pequena lista e depois seguimos para as dicas:

  • Notou bolinhas vermelhas?
  • As lesões possuem uma pontinha branca?
  • Está inchado?
  • Coça?
  • O local que elas estão está sensível?
  • Há alguma cicatriz?
  • E manchas escuras? Tem?

Se você deu check nessa listinha, então é muito importante você ler o resto dessas dicas, pois eu garanto que elas vão te ajudar a tratar essas pequenas infecções sem ter muita preocupação e do melhor jeito possível.

1 – Evite roupas justas

Roupas muito apertadas impedem o crescimento do pelo e acabam fazendo com que ele encrave e inflame o folículo. Dê preferência a roupas mais largas e confortáveis que vão permitir que o pelo cresça à vontade.

Leggings, meias justas, jeans de lycra, cuecas e calcinhas muito apertadas costumam ser os maiores vilões em alguns casos. O ideal é que você utilize roupas mais largas em estações muito quentes ou até mesmo após realizar alguma depilação.

Foque em seu bem estar e deixe sua pele respirar sempre.

2 – Controle o peso

O sobrepeso e a obesidade expõem a pele a um maior atrito e fricção com roupas ou com a própria pele (em locais de dobra), facilitando o surgimento da foliculite. O controle do peso por meio de uma dieta saudável e equilibrada e da prática regular de exercícios contribui dessa forma para a prevenção da foliculite.

Um problema que pode surgir para pessoas acima do peso é se, em algum momento, haver um agravante dessas bolinhas vermelhas, trazendo o surgimento de furúnculos e carbúnculos.

Os furúnculos surgem em áreas sujeitas à fricção, transpiração e que contenha pelos, como a região da axila, nádegas e pescoço. Já o carbúnculo é de extensão maior, da qual, frequentemente é mais profundo. Um sintoma muito comum é febre e calafrios. Além disso, você pode entender um pouco mais sobre esse assunto acessando o site da Anvisa clicando aqui.

3 – Cuidado com as lâminas

Mesmo para quem opta por métodos de depilação mais definitivos e duradouros é difícil abandonar por completo as lâminas de barbear. Nos momentos de emergência, as lâminas acabam sendo a opção mais prática e rápida de ficar com a pele lisa.

Assim como o caso do tópico anterior, as conhecidas lâminas de barbear causam fricção na pele, por isso coopera com o surgimento da inflamação. Uma ideia é você trocá-la por outro método, como, por exemplo, os conhecidos barbeadores elétricos ou até mesmo pela depilação a laser.

Caso seja esse o método que você usa, lembre-se sempre de não repetir a lâmina muitas vezes e de conservá-la dentro de uma solução com álcool no período entre usos, descartando-a após alguns dias. O movimento de raspagem deve ser realizado sempre no mesmo sentido do crescimento dos pelos.

4 – Realize a depilação a laser

Qualquer método de depilação tem o potencial de irritar o pelo e provocar uma inflamação folicular. No entanto, quanto mais agressivo esse método for para a pele e quanto menos tempo o resultado durar, o que aumenta a frequência com que o método é usado, maior é a chance da pessoa desenvolver foliculite.

É por isso que lâminas de barbear e as ceras se associam muito à foliculite, enquanto a depilação a laser acaba dando fim ao problema por ser uma solução quase definitiva para os pelos e pouco agressiva para as camadas mais superficiais da pele.

Existem muitos relatos de pessoas que se livraram da foliculite, inclusive no blog Derma Club, a Dra. Vanessa Metz explica como o método pode ser extremamente eficaz para o desaparecimento dessas bolinhas incômodas.

5 – Use esfoliantes e sabonetes para foliculite

A esfoliação ajuda a limpar a pele, desobstruir os poros, retirar as células mortas, renovar o tecido e reduzir a inflamação dos folículos pilosos, permitindo que o pelo consiga a crescer sem qualquer impedimento. O ideal é fazer esse processo alguns dias antes da depilação, mesmo que seja apenas com uma bucha vegetal.

Mas atenção, somente a pele íntegra pode ser esfoliada então caso haja lesões abertas na pele ou sinais de infecção como uma vermelhidão intensa e pus a esfoliação não pode ajudar, diferente disso, vai piorar.

Produtos como sabonetes antissépticos e loções são muito importantes para você utilizar tanto antes quanto depois do banho.

6 – Evite ambientes úmidos e quentes

Altas temperaturas e altos índice de umidade no ar favorecem o suor e o acúmulo de substâncias sobre a pele, impedindo o crescimento adequado dos pelos. Assim, sempre que possível, busque ambientes bem arejados e frescos.

Alguns fungos, por exemplo, a Pseudomonas aeruginosa, está presente em locais como piscinas e banheiras e também associam-se à foliculite, você sabia disso? Isso porque o local que eles aparecem, sendo muitas vezes úmidos/quentes, aumenta essa proliferação.

A umidade, por si só, aumenta a entrada dos fungos, já o calor abaixa a imunidade.

7 – Procure o dermatologista

O dermatologista é o profissional mais indicado para tratar da foliculite e te dar dicas de como cuidar melhor da sua pele com conselhos individuais e personalizados.

Ele irá esclarecer qual o melhor método de depilação, quais cremes usar para aliviar a dor e a inflamação da foliculite e se é ou não necessário o uso de antibiótico, por exemplo. Aliás, cada caso é um caso.

Inclusive se sua pele possuir uma propensão maior para acne ou dermatite, essa condição se torna mais comum. O tratamento correto evita a ocorrência desse incômodo.

Dica bônus:

Algumas dermatoses também aumentam a chance da foliculite surgir então o tratamento de outras doenças da pele ajuda a evitar o quadro.

Lembra que eu falei mais acima que existem dois tipos dessas infecções aparecerem? Em casos mais complicados, das quais o médico pode diagnosticar junto de outros agravantes, principalmente com o vírus do HIV, é a foliculite eosinofílica.

Caso você possua a doença ou conheça alguém que tenha e apresente sintomas como manchas avermelhadas e feridas que coçam e soltam pus, consulte imediatamente um profissional da área.

Gostou das nossas dicas? Qualquer dúvida é só deixar um comentário aqui no post!

0 0 vote
Article Rating

Lisa

Olá, eu sou a Lisa, assistente virtual da Vialaser e autora desse blog maravilhoso! Quero trazer os conteúdos mais diversos e interessantes sobre o mundo da estética, saúde, beleza e depilação a laser. Se liga nos posts e não deixe de interagir!

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments